Segunda geração do Hyundai HB20 muda design e motores

Segunda geração do Hyundai HB20 muda design e motores

Para brigar pela liderança nacional de vendas, segunda geração do Hyundai HB20 muda design e motores – e até incorpora tecnologias autônomas nas versões “top”

   Onde há competição, como no esporte ou na política, é usual – e até previsível – que o vice-líder pretenda tomar o lugar do primeiro colocado. Na indústria automotiva, não é diferente. Depois de conquistar a vice-liderança de vendas no Brasil pouco depois de lançado, no final de 2012, o hatch compacto puxou o lançamento da versão sedã, o HB20S, e da aventureira, a HB20X, todas muito bem sucedidas – em abril, a Hyundai comemorou a comercialização do milionésimo HB20 no país. Com a chegada da segunda geração, que desembarca inicialmente apenas na versão hatch em outubro nas concessionárias, a possibilidade de finalmente brigar pela liderança obviamente vem à tona.

   Por uma dessas “coincidências” que às vezes são bem planejadas, o lançamento da segunda geração da linha HB20 aconteceu apenas três dias após a apresentação da segunda geração do Onix, que lidera as vendas de automóveis no Brasil há quase cinco anos. Ambos investiram em inovações estéticas e tecnológicas. Na linha de compactos da Hyundai, uma das apostas é na diversidade. Entre HB20, HB20S e HB20X, a linha compacta da Hyundai engloba vinte e duas configurações, combinando diferentes carrocerias, motores, câmbios, acabamentos e equipamentos. Os preços vão dos R$46.690 do hatch 1.0 12V Flex Sense com câmbio manual de 5 marchas aos R$81.290 do sedã 1.0 TGDI 12V Flex Diamond Plus, com câmbio automático de 6 marchas. Qualquer cor que não seja Preto Onix – é, a Hyundai tem uma cor com o nome do principal concorrente – ou Branco Atlas acresce R$950 aos preços.
   Ao contrário do que ocorreu na Chevrolet, que manteve as carrocerias antigas nas versões de entrada Joy do hatch e do sedã, na Hyundai, todas as versões antigas saíram de linha e deram lugar às novas. E as mudanças foram expressivas, embora o estilo arrojado possa não obter a mesma unanimidade obtida no lançamento da geração anterior – os novos modelos da linha HB20 impressionam melhor ao vivo do que nas fotografias. A recente linha de design da marca sul-coreana, denominada como “Esportividade Sensual”, se expressa através de linhas fortes, com frisos pronunciados e elementos marcantes, como a grade trapezoidal que mistura linhas retas e curvas e os amplos faróis com light guide em leds. A frente é baixa, de estilo aerodinâmico. No teto, o estilo “flutuante” que anda tão em moda é ressaltado pelo detalhe em preto na coluna C das versões HB20 e HB20X, nas quais a proposta é ressaltar a esportividade. As lanternas com design de bumerangue dos hatches também evocam dinamismo. Já no sedã HB20S, a proposta é sofisticada. A nova traseira combina o estilo de sedã clássico com o conceito de fastback – o teto se prolonga continuamente até o porta-malas, sem angulações. Elementos de design remetem aos sedãs maiores da Hyundai, como o Elantra e o Sonata, como as novas lanternas horizontalizadas e a grande área envidraçada traseira. Por dentro, a linha HB20 segue a mesma lógica: os hatches investem na esportividade, enquanto o sedã aposta em um estilo mais refinado.
   Em termos de motorizações, os flex 1.0 litro e 1.6 litro, ambos aspirados, oferecem 80 cavalos e 130 cavalos de potência máxima, respectivamente. E o inédito três cilindros 1.0l Turbo GDI entrega 120 cavalos de potência. No caso do 1.0 aspirado, o câmbio é sempre o manual de 5 marchas. Já o 1.6 herda a mesma motorização do Creta 1.6, com comando variável duplo de válvulas, o que lhe confere dois cavalos a mais que a versão 1.6 anterior. Pode trabalhar acoplado a um câmbio manual ou a um automático, sempre com 6 marchas. O novo motor 1.0 Turbo GDI, de injeção direta de combustível e duplo comando variável de admissão e escape (Dual CVVT), trabalha sempre em conjunto com o câmbio automático de 6 velocidades. Seu torque máximo de 17,5 kgfm está disponível a partir de apenas 1.500 rpm. O aventureiro HB20X será oferecido apenas com o motor 1.6 16V Flex, com câmbio manual ou automático, sempre com 6 marchas.
   Mas é nos equipamentos que está a principal aposta da nova linha HB20. As versões mais completas, Diamond e Diamond Plus, trazem o que há de mais exclusivo na nova geração. Ar-condicionado digital, chave presencial Smart Key, piloto automático e limitador de velocidade, partida do motor por botão, troca de marchas por alavancas no volante (Smart Shift), sistema Stop & Go de parada e partida automática do motor estão na lista de conforto e conveniência. Exclusivos da versão de topo Diamond Plus, os sistemas de alerta e frenagem autônomo e de alerta de mudança de faixa são tecnologias inéditas no segmento. Completam a lista controles de tração e estabilidade (ESP e TCS), assistente de partida em rampa (HAC), monitoramento de pressão de pneus (TPMS) e câmera de ré com monitoramento da traseira (DRVM). Além disso, toda a linha HB20 conta com cinto de três pontos para todos os ocupantes, encosto de cabeça no banco traseiro, fixação Isofix, dois airbags frontais, mais dois airbags laterais nas versões Diamond e Diamond Plus. Um pacote de respeito, surpreendente em compactos nacionais.

Experiência a bordo: Duas caras
   O interior da nova geração do HB20 tem design com linhas limpas. O acabamento Marrom Desert, disponível para a versão Diamond Plus do hatch, é um dos destaques de estilo dessa geração. Nela, a cor marrom aparece no painel, no console, nos painéis das portas e nos bancos de couro e no volante, esse também revestido em couro. Detalhes na cor azul fazem parte do estilo e estão presentes na faixa central do painel e nas costuras dos bancos, volante e alavanca de câmbio. Já a versão Diamond Plus do sedã, por sua vez, tem bancos revestidos em couro, no sóbrio tom cinza lunar, combinando com o painel, o volante, o console e os painéis das portas, que têm acabamento em cinza glacial. As maçanetas internas são cromadas em todas as versões. Para o HB20X está disponível o acabamento Preto Ebony, presente no painel, console e painéis de porta. A versão topo de linha do aventureiro, a Diamond Plus, traz ainda bancos de couro Cinza Intense com detalhes em laranja. 
   O espaço interno cresceu sutilmente, com mais um centímetro de largura na altura dos ombros e, no banco de trás, acréscimo de 4,7 centímetros na distância livre em relação aos bancos dianteiros. Chave presencial Smart Key com telecomando de travamento das portas e do porta-malas, partida do motor por botão, banco do motorista com ajuste de altura por alavanca,   acionamento intermitente do indicador de direção e direção elétrica (antes disponível apenas no HB20X), vidros elétricos dianteiros e traseiros com funções one touch (descida e subida) e antiesmagamento, travamento automático das portas e do porta-malas aos 20 km/h, console central com porta-copos e porta-objetos, bolsa porta-revista no encosto do banco do passageiro, espelhos cortesia nos para-sóis e iluminação no porta-luvas são alguns dos confortos oferecidos nas configurações mais caras. 

Primeiras impressões: Eficiência em alta

   Una/BA - Foram disponibilizadas para avaliação as versões “top” Diamond Plus do HB20 e do HB20S, ambas equipadas com o novo e espertíssimo “powertrain” composto pelo motor 1.0 Turbo GDI e o câmbio automático de 6 velocidades com borboletas no volante. Em ambas as configurações, a performance dinâmica é bastante satisfatória. O carro acelera com vontade e o torque aparece com disposição em qualquer giro. O carro ganha velocidade de forma surpreendente – na pista do aeroporto Una Comandatuba, no litoral Sul da Bahia, foi possível acelerar até os 183 km/h e a velocidade ainda poderia crescer mais, porém, o final da reta tornou prudente acionar os freios.  As passagens de marchas dos HB20 com câmbio automático são precisas e discretas, permitindo que o carro ganhe velocidade rápida e progressivamente, sem solavancos desconfortáveis. E a possibilidade de mudar as marchas manualmente por meio de borboletas atrás do volante facilita a tarefa de obter um comportamento esportivo do conjunto.
   Outro destaque do novo HB20 é a direção eletricamente assistida, muito bem balanceada. É inacreditavelmente leve nas manobras e bastante precisa e direta nas velocidades altas, o que transmite uma agradável sensação de controle total da situação ao motorista. Em termos de suspensão, tanto no hatch quanto no sedã, o acerto é igualmente bastante preciso. HB20 e HB20S entram e saem das curvas de forma equilibrada, sem “rebolar” ou adernar excessivamente. Nas freadas bruscas, nova demonstração de equilíbrio e precisão. Pelo conjunto da obra, é fácil de se gostar dos novos compactos da Hyundai. Também houve a possibilidade de testar os sistemas de auxílio ao motorista, como o alerta de mudança de faixa e o os sistemas de alerta e frenagem autônoma – capaz de parar o carro sozinho a até 50 km/h em caso de impacto iminente mesmo que o motorista continue acelerando. Se a intenção for bater, será necessário desabilitar o sistema.

Ficha técnica: HB20 1.0 TGDI 12VFlex Diamond Plus

Motor: 1.0 turbo três cilindros com injeção direta de combustível e duplo comando variável de admissão e escape (Dual CVVT)
Potência: 120 cavalos a 6 mil rpm
Torque: 17,7 kgfm a 1.500 rpm
Aceleração de zero a 100 km/h: 10,7 segundos
Velocidade máxima: 190 km/h
Transmissão: automática de 6 velocidades e uma a ré, com possibilidade de trocas sequenciais através de “paddleshifts” no volante
Tração: dianteira
Freios: ABS com disco ventilado na dianteira e tambor na traseira
Pneus: 185/60 R15 Michelin Primacy
Comprimento: 3,94 metros
Largura: 1,72 metro
Altura: 1,47 metro
Peso: 1.091 quilos
Entre-eixos: 2,53 metros
Porta-malas: 300 litros – 930 litros com o banco rebatido
Tanque de combustível: 50 litros
Preço: R$77.990
por Luiz Humberto Monteiro Pereira - Agência AutoMotrix.